sábado, 3 de junho de 2017

Relato



Esse punheteiro mandou seu relato dizendo ter tido essa experiência ha 2 semanas atrás. Ele é de Andradina-SP

Sou casado, 38 anos, punheteiro desde sempre e apesar de sentir tesão quando toco uma bronha com alguém, não sinto atração por homens.  Numa viagem que fiz a trabalho, coisa rara, tive uma experiência diferente, com altos e baixos. 
Estava no hotel e no final da tarde fui na sauna pra relaxar. Lá já estava um cara de 40 e poucos anos, loiro, corpo normal. Conversamos um pouco e como sempre a situação me deixou de pau duro. Vale lembrar que em hotel geralmente não é permitido ficar pelado, ou seja estávamos de short. Com o papo pulando para sexo percebi q ele passava toda hora mão no pau e isso me deixou mais excitado ainda e, claro, fiz o mesmo. Tava na cara que os 2 pensavam em colocar o pau pra fora e tocar uma, mas quem já foi em sauna (e não to falando de sauna gay), sabe que no meio daquele calor e fumaça não é fácil progredir com essas coisas, fora o risco muito alto de entrar alguém. Aí, esse cara que já deixava bem amostra o volume do pau, me chamou pra ir conversar no quarto dele. Fomos pra ducha e seguimos pra cima.
No caminho fiquei pensando o que poderia rolar. Fiquei com medo dele estar querendo sexo, pois nunca tinha tido vontade de transar com homem e nem tesão pra isso. Ao chegar no quarto, ele pegou uma bebida e falou pra eu ficar a vontade pra gente conversar, quer dizer, pelado, coisa que ele já tava ficando. Rolou uma mistura de tesão com medo. Vi a pica dele bem dura, um pouco maior que a minha que ainda estava meia bomba e mais grossa. Chegou perto de mim e me puxou dando um beijo na minha boca. Seu pau encostou no meu. A sensação dos paus juntos foi boa, mas o beijo tava me tirando a excitação. Desviei logo olhando pros paus se esfregando e ele foi descendo com a boca chupando meu peito. Apesar de não curtir, fiquei sem saber o que fazer. Logo ele tava com meu pau na boca. Chupava melhor que muita mulher, com vontade, lambia meu saco, passava a língua em tudo! 
Me chamou pra ir pra cama. Pra evitar novos beijos, virei no outro sentido, pegando o pau dele e esfregando as duas cabeças. Ele pediu pra que o chupasse. Nunca tinha feito isso. Coloquei na boca e a sensação da pele da piroca é muito estranha. Chupei com receio no começo, depois suguei com mais força. Mamei e punhetei  rápido mas pedi pra ele não gozar depois de  sentir o gosto doce do pré gozo.  Ele levantou a cabeça e segurou minha bunda caindo de boca no meu cu. Isso é uma coisa que me deixa maluco de tesão. Minha mulher não gostava de fazer mas eu adorava lambida no cu. Agora estava eu de 4 e ele chupando meu rabo e me punhetando. Pegou o pau e começou a esfregar no cuzinho, pra cima e pra baixo. Gostoso e excitante, mas não tava com vontade nenhuma de dar. Ele começou a pressionar a cabeça no cu, cada vez mais e pedi pra parar. Ele levantou e disse pra esperar um pouco. Foi até a mala e pegou um gel e camisinha. 
Pensei: agora fodeu mesmo! Será que experimento? Minha mulher já tinha enfiado o dedo, mas apesar de ser gostoso, não era uma coisa que me dava muito prazer. Preferia lambidas e chupadas. Resolvi deixar. Senti o gel gelado escorrendo e um dedo entrando fundo. Em seguida ele forçou a cabeça do pau de novo! Pediu pra eu relaxar e comentou: parece virgem! Kkk  Pior que eu era! Conforme a cabeça da pica entrava parecia que tava me rasgando por dentro. Puta dor do caralho! A dor tava tão grande que suava frio, tinha palpitações e nem percebi que ele já tava todo dentro e começava a bombar. Pedi pra ir devagar, mas queria que gozasse logo! O saco dele batia no meu. Foi uma eternidade até sentir os urros do gozo e as socadas fortes! Que alívio quando tirou o pau lambuzado de porra!
 Fiquei na minha, mas quase não conseguia me mexer. Ele virou de 4 e falou que era minha vez. Meu pau tava mole e quase não tinha mais tesão. Só pensava no meu cu ardendo demais!  Até tentei enfiar, mas não ficou duro suficiente pra entrar. Ele então voltou a chupa-lo com força. Me concentrei pra gozar e consegui. Esporrei na boca dele! Engoliu tudo! Porra quente que escorreu pelos cantos da boca. Agora tava com vontade de sumir! Voltei pro meu quarto e confesso que me arrependi muito na hora. A dor no cu ficou muitos dias e não consigo entender como alguém consegue dar tanto o cu! Foi bom porque descobri que foder com homens não é minha praia mesmo, mas brincadeiras ainda me dão muito tesão, inclusive chupadas. Só não tenho coragem de engolir porra por enquanto. 


domingo, 21 de maio de 2017

video


video


Uma boa história enviada por um bronheiro do interior de SP, com mistura de exibicionismo e bronha.

Essa história aconteceu ano passado quando minha mulher resolveu pintar nosso apartamento. Como apesar de ter 2 quartos é pequeno, em uma semana a 10 dias resolveria, tempo que ela ficaria na casa dos pais com nossos filhos devido ao cheiro de tinta. Eu continuaria ali por causa do trabalho.
Contratamos 2 pintores após boas referências e acertamos tudo.
Os caras deviam ter ao redor dos 30 e poucos anos, um era branco chamado Lelo e o outro mais moreno se chamava Zé Carlos. Pareciam bastante sérios.
Eu tenho 42 anos, moreno claro, trabalho com administração e sou viciado em masturbação desde que me conheço. Também curto um pouco de exibicionismo e voyeurismo.  Não curto relações com outros caras e nem tenho atração homoafetiva, mas gosto de sacanagem leve. Depois do casamento e dos filhos principalmente, tá cada vez mais difícil colocar em prática essas coisas. Só da pra rolar uma punheta em banheiros ou no carro as vezes.
No primeiro dia foi normal, puxei um pouco de papo com eles e percebi que um era mais extrovertido e falante, o outro, moreno, era bem quieto. Eles estavam pintando um dos quartos.
Pra minha sorte no dia seguinte tava muito quente e quando cheguei o Lelo tava sem camisa. Pediu desculpa e falei que não tinha problema.  Aproveitei a deixa e comentei que eu mesmo ficava sempre a vontade quando tava sozinho em casa, porque ninguém merecia um calor daqueles.
Fazendo isso fui tirar a roupa pra tomar banho e passei de cueca com a pica meia bomba na porta do quarto, tomando cuidado pra que eles vissem.
Pensei em sair pelado do banheiro, mas me segurei, fiquei de cueca e fui puxar papo com eles. Sempre tentando discretamente entrar em assunto de sacanagem.
Lelo sempre falante era animado pra conversa e me contava que recebia dezenas de vídeos todos os dias no zap. Pensei em aprofundar a coisa mostrando alguns dos meus pra ele, mas fiquei receoso com o Zé Carlos que quase não falava nesse assunto.
No dia seguinte, logo cedo, fui atender a porta para o Lelo que tinha chegado antes. Eu de cueca, coisa que agora era minha rotina. Esperei um pouco e aproveitei a chance pra mostrar pra ele alguns vídeos mais quentes que tinha recebido. Vi que ele tava com tesão olhando e eu com  pau bem duro na cueca, quase saindo pra fora. Quando ele começou a falar besteiras elogiando um vídeo e sua mão esfregou o pau por cima da calça meu tesão foi lá em cima. Olhei o volume e aí resolvi arriscar!  Tirei meu cacete pra fora e falei que era difícil aguentar o tesão vendo a mulher que metia no vídeo!
Deixei meu pau empinado, duro, pulsando, todo pra fora junto com o saco. Ele olhou na hora e novamente apertou o pinto dele na calça.
Fiz mais, abaixei a cueca e deixei tudo a mostra, agora já socando uma punheta lentamente, com muita vontade de gozar!
Precisava ver o cacete dele duro também pra soltar minha porra!
Como vi que ele não tirava pra fora, arrisquei dizer que de manhã era bom dar uma relaxada antes do trabalho com uma punheta.
Só então ele abaixou o zíper e de olho no vídeo do celular e no meu pau, tirou o dele pra fora! Pau grosso e não muito grande, devia ter uns 15 cm com uma puta pele sobrando que logo ele puxou toda exibindo a cabeçona!
Agora sim estávamos nós dois numa punheta gostosa. Meu tesão chegou no limite e esporrei! Ele ficou mais uns segundos na bronha e não gozou.
Fiquei preocupado depois. Foda da punheta com estranhos ou em lugar diferente é a depre que bate depois e fá vontade de sumir dali. Mas tentei levar numa boa, fiz umas piadas e mudei o assunto.
Esse dia o parceiro dele chegou depois que eu sai.
Não consegui mais ficar sozinho com o Lelo e o Zé Carlos falava muito de igreja, então parecia que ali não ia virar nada. Mas para ter certeza, perguntei pra ele se recebia putaria no celular e ele disse que não gostava disso.
Já no último dia, muito excitado, sai do banho pelado deixando meu pau e bunda bem visíveis.  Parei pra conversar um pouco. Só ganhei umas boas olhadas na piroca, o que me fez gozar depois.
Acabaram o serviço, nada mais rolou. Agora acho que devia ter arriscado mais e quem sabe outras punhetas tinham rolado. Mas não é fácil. A chance do cara achar que você é viado e muitas vezes complicar as coisas é grande.
Essa história é totalmente real e  aconteceu faz 3 meses.